Gestão Financeira

8 métricas que são importantes para a gestão financeira

Manter uma empresa competitiva e rentável no mercado não é uma tarefa fácil, no entanto, se você souber utilizar das ferramentas disponíveis na gestão financeira, sua empresa certamente terá um grande diferencial.

Quando se fala em gestão, estamos falando em análise, controle e monitoramento dos processos de sua empresa com o foco nos resultados. Para que seu empreendimento tenha uma saúde financeira estável, existem importantes indicadores que podem lhe auxiliar na tomada de decisão.

No post de hoje, você encontrará 8 métricas fundamentais para a gestão financeira do seu negócio. Continue a leitura e confira!

1. ROI – Retorno sobre investimento

O ROI é um dos principais indicadores de como seu negócio está indo, além de ser usado principalmente para medir o desempenho das campanhas de marketing. Também é muito eficiente para verificar a situação do negócio de uma forma geral.

Basicamente, com o ROI você consegue verificar se a empresa ganhou ou perdeu dinheiro com o investimento realizado. Para calculá-lo a fórmula é muito simples, veja:

RO I= (lucro – custos) / custos

Esse indicador não é importante apenas para os usuários internos, mas também para os usuários externos, por exemplo, investidores. Eles também precisam saber qual é o retorno do seu investimento e como o seu negócio pode ser um bom investimento para eles.

2. CAC – Custo de aquisição por cliente

O custo de aquisição por cliente, basicamente demonstra quanto você tem gasto para atrair seu novo consumidor. O valor que seu cliente agrega à empresa é superior as despesas ocorridas para atraí-lo?

De uma maneira muito simples você consegue visualizar quanto você gasta para conquistar cada cliente. Veja na fórmula:

CAC = soma dos investimentos / número de clientes conquistados

Esse indicador é um importante aliado na tomada de decisões estratégicas da empresa. Através de uma análise realizada de forma correta você pode traçar diferentes métodos para reduzir seu custo, mas continuar a conquistar seus clientes.

3. Fluxo de caixa

Com um fluxo de caixa bem estruturado, você estará amparado para possíveis imprevistos que possam ocorrer.

Para tornar seu controle mais eficiente é necessário que toda movimentação financeira seja registrada. Lembrando que o fluxo de caixa pode conter o número de meses que você achar necessário, no entanto, é importante que ele seja alimentado e monitorado diariamente.

Em empresas de pequeno porte o fluxo de caixa muitas vezes é elaborado por meio de planilhas, contudo, hoje já existem sistemas que disponibilizam essa ferramenta de forma prática e ágil.

Por meio dele os gestores têm uma visão ampla do seu negócio, podendo tomar decisões fundamentais que impactam diretamente na saúde financeira da empresa.

4. Grau de endividamento

O índice de endividamento é uma métrica que mede o percentual de dívidas da empresa e como isso compromete seus ativos.

É por meio do balanço patrimonial que os gestores conseguem tirar as informações necessárias para fazer esse cálculo. Tecnicamente falando, a fórmula de cálculo é:

IE = [(PASSIVO / ATIVO) * 100]

Sendo que:

IE = Índice de endividamento

Passivo = Passivo Circulante (exigíveis curto prazo) + Passivo não circulante (exigíveis de longo prazo)

Ativo = total do ativo

Como o cálculo é bem técnico, é importante ter um contador para auxiliar na sua realização, uma vez que as contas de ativo e passivo devem estar corretamente compostas no balanço patrimonial, além de conciliadas com os dados reais da empresa.

Um profissional experiente assegurará que o índice efetivamente reflita o cenário em que a empresa se encontra.

Independentemente do ramo de atividade da sua empresa, ter um grau de endividamento alto não é um bom sinal para a gestão financeira do seu negócio. Com essa informação em mãos é possível tomar decisões assertivas para o seu empreendimento.

5. Custos fixos

Os custos estão diretamente ligados a produção e saber identificar como eles impactam no custo total é fundamental para o controle do seu projeto.

Diferentemente dos custos variáveis, os custos fixos não variam conforme a produção, mas fazem parte da formação do preço de venda, sendo alocados por meio de rateio.

6. Custos variáveis

Como foi mencionado no item a cima, os custos fixos são diferentes dos custos variáveis por não alterarem conforme a produção.

Contudo, ambos são de suma importância no controle dos gastos. Os custos variáveis são diretamente proporcionais ao volume de produção, por isso podem significar um alto percentual na formação do preço de venda.

Saber identificar como esses custos estão impactando na sua empresa é primordial para tomar decisões importantes na sua redução.

7. Inadimplência

O índice de inadimplência mede as faturas a receber que permanecem em aberto após a data do vencimento. É importante que você, como gestor, esteja preparado para lidar com essa situação, pois o não recebimento desses valores impacta diretamente no fluxo de caixa.

Portanto, analisar de forma responsável esse indicador permite ao gestor provisionar esse percentual e, desta forma, não ser surpreendido no futuro.

8. Solvência

Esse índice nada mais é que a capacidade da empresa de honrar com seus compromissos financeiros.

Uma empresa com um índice de solvência baixa, pode significar que seu passivo é maior que seu ativo, ou seja, a empresa possui mais dívidas do que um patrimônio considerável.

Uma empresa com um índice de solvência alto demonstra que a empresa tem uma gestão eficiente, que ela é sólida no mercado e pode arcar com suas dívidas em longo prazo.

Se sua empresa está com a solvência baixa, isso pode significar um alerta, mas nem tudo está perdido. Nada impede que você tome decisões importantes que mudem a trajetória do seu negócio e aumente a capacidade financeira do seu empreendimento.

É extremamente importante que você considere todas as métricas apresentadas, contudo, é importante lembrar que elas são um conjunto de ferramentas que dão suporte a tomada de decisões. Analisar separadamente cada um desses indicadores pode significar equívocos na tomada de decisão.

Certamente sua empresa tem algo a melhorar, essa é a base de qualquer projeto, procurar continuamente por melhores resultados. Contudo, no mundo dos negócios fazer isso sozinho não é uma tarefa fácil. No post de hoje, você aprendeu algumas das mais importantes métricas para a gestão financeira e como elas são importantes na tomada de decisão.

No entanto, analisar isso de forma manual seria demorado e passível de erros. Dessa maneira, utilizar de um software de gestão que possa proporcionar todas essas informações de forma rápida e prática pode ser uma grande avanço para o seu negócio.

Por isso, é importante estar bem amparado por profissionais da área. Entre em contato conosco e descubra como podemos ajudá-lo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *